Tudo fortaleze

Tudo fortaleze
Nascem coisas de onde menos imaginamos.

quarta-feira, dezembro 28, 2011

20 Segundos

20 Segundos

O que são 20 segundos ?
Ponteiros de relógios ?
Quem sabe uma breve passagem de tempo ?
Instantes despercebidos ?

Pode ser instante de alegria,
Felicidade contida em lábios,
Em palavras (...)
Olhares que se cruzam e se beijam.
Um abraço inesperado (...)

20 segundos para uma escolhas 
20 segundos de coragem
20 segundos de êxtase
20 segundos para loucuras 
Seus 20 segundos ...

Abuse dos seus 20 segundos ...

Fale que me ama.
Haja inesperadamente
Arrebate o coração.
Enlouqueça o tempo.

Estou apaixonada por você!
Não sei o por quê ?
Ah, meus 20 segundos de coragem!
Para estremecer seu coração.
Lá se foram, pois fico em diante de você

Peço mais 20 segundos e me acomete a razão!
Por que não ?
Por que não deixar aflorar mais 20 segundos eternos.
Volte meus 20 segundos, volte
Quero perdeu meu coração!

segunda-feira, dezembro 26, 2011

Passo longas noites.
Pesadas ...
Pensando ...
Vejo pedras.


Percebo o chão.
O gosto da terra.
Algo quebrado dentro corpo.
Algo quente desce pela pele.


Sangue, sangue ...


As luzes se pagam.
O chão treme.
O escuro mudo.
Medo desperta!



Onde está riso!
Onde foi parar a alegria.
Círculos que formam semi-círculos.
Fotos rasgadas na mente.


O caminho que suplica por reconhecimento.
A energia sugada!
Taças vazias (...)
A alma repleta de questões.


Esse alguém de indagações.
Estrada de chão batido.
Qual o tamanho da carga que suporta ?
Pneus velhos.


Onde foram parar a felicidade.
Onde fui parar os sentimentos bons.
Vivo ainda permanece  a melodia!
Encontrar as indagações com vento aos cabelos.


Seguro estão o pensamento.
Em silêncio estão o riso e alegria.
E a felicidade foi bater na porta dos sentimentos.
E a melodia encontra sua letra.

Lágrimas de revolta.
Revolta em algo não compartilhado.
Coisas rápidas demais para os olhos assimilarem.
Rápidas demais para serem percebidas.


Lágrimas de revolta.
Temo um mistério.
Sinto falta,
E você não se sente livre.


Lágrimas revolta.
Meus pensamentos sangram.
Lágrimas caem.
Solitária é a estrela no céu.


Revolução na corrente dos sentimentos.
Nem mais, nem menos.
O topo é pouco!
Quero concordar e discordar de seus pensamentos.


Uma maçã saborosa.
Espaço em mente.
Quietude na correnteza.
Somos o ponto onde as linhas se cruzam.
E as lágrimas acabam!

terça-feira, dezembro 20, 2011

Explosão

Nem sul
Nem norte
Equidistante são traços.
Antipodas de sentimentos.
Geografia sem mapa.
Rio sem nascente.
Poente, Nascente!
Descente é a mente.
Marés revoltas!
Sem Cruzeiro do Sul!
O magma que ferve o sorriso.
É o mesmo que carbonifica o coração.
Falésia, enésima paixão!
Circundam os oceanos, planícies e depressões.
Quero Supernova!
O invisível  percebido.
Angústia, 
Lágrima que não saem!
Grito abafado.
Dor difusa!

Mão que sufoca garganta.
Dedos que reprimem.
Olhar indiferente.
Desnecessária é a existência!

Comprimi-se o desajeitado(a)!
O aleijado em sentimento.
Destilou com lábios o fel.
Crueldade ao qual papel o desajeitado (a) assumiu!

Uma debilidade incontestável.
Amargura, covardia
Mande a chuva levar embora.
O desajeitado e aleijado em sentimentos (...)
Devem-se completar!

O silenciar da fala!

Algo sufoca!
Me rouba a fala!
Me tira o sono.
Palavras não conseguem ser digeridas.
Isso causa dor,
Aflição,
Pânico (...)
Demência.
Causa uma tristeza que assombra.
Estas diante aos meus olhos.
Mas o medo assola lábios.
Tudo enfraquece.
Miserável sentimento que se instala.
Sem gestos.
Nada de reciprocidade.
O frio,
O escuro, 
O espinho!
Nada de passos!
Sem força para seguir.
Cadê o horizonte.
Como cruzar a ponte ?
Em pé de grito surdo!
De olhos cegos.
Com pés calejados.
Mãos que confortam mais não encontram afago!
Onde estás o final da ponte desse tormento ?


sexta-feira, dezembro 16, 2011

Presente de Natal ?

Meu Presente de Natal ?

Não está em loja,
Não é material.
Não se encontra em qualquer lugar,
Nem em ângulo de esquina.
Não tem preço.
Riqueza nenhuma pode comprar!
Não tem embrulho.
Sentimentos como laços a desenrolar.
Fraternal, integral,
Amores incondicionais (...)
Meu Presente de Natal!
Amor, felicidade (...)
Para mim é especial!

Ele é você meu sangue,
Ele é meus dias!
Ele é o meu cotidiano sem rotina
Presente nos meus dias!

Revolto

Revolta,
Inquietude no pensamento.
Ilusão na esperança.
Ferve ciúmes que se não se expõe!


Pode me roubar os sentidos.
Não quero ser o unicórnio invisível.
Quero cordel empolgado.
Rimas mel.


Acalmar o espírito.
Tranquilidade na afeição.
Realidade da felicidade.
Navegantes enamorados.

Presente(s) de Natal!

São simples,
Únicos,
Verdadeiros (...)
São emociantes,
Ligados ao coração.
Três  (...)
1° ...
2° ...
3 °...
Unidos pelo coração, corpo e emoção.
Não há preço!
Nem tão pouco valor!
Desprender-se do material.
1° Amo incondicionalmente.
2° Requer sapiência e com paciência.
3° Encontra-te em meus olhos!
Tendo cadeira para sentar a felicidade.
Lençol para as cobrir as estações.
Presentes de afeição.



Tento*

Tentação diária,
Tentação das tentações.
Agressão de seus olhos, já e agora!
Admissão por suas mãos.
Puro és de coração!
Errante é seu pensamento.
Tecelão de minhas emoções.
Trovão que range os dentes.
Tentação com paixão!
Sugar caramelos!
Lambuzo de chocolate.
Rendidos estão sentimento e razão.
Ai, minha doce tentação!
Remando pelo mar de amar a te olhar e tentar!

quinta-feira, dezembro 15, 2011

Silêncio no universo.
Silenciosa é a noite.
Palavras silenciadas.
Muda é fala!
Silêncio que penetra na carne.
Perfuma o lugar.
Olhos em calados.
Gélida a face ficou.
Tudo permanece imóvel.
Fico sem respiração.
Silêncio, silêncio, silêncio é o pensamento.
Silencioso é esse momento.

quarta-feira, dezembro 14, 2011

DMB *

Vontade de morder,
Desejo incontrolável,
Sentidos quero mordiscar,
Felicidade química que percorre pelos neurônios.

Detalhadas e molhadas mordidas.
Lentas, rápidas e carinhosas.
No sussurros de orelhas, pescoço afins (...)
Excitação de morder!

Explodir (...)
Explorar a Odaxelagnia !
O oposto da dor.
Ardência encaixada sem permissão.

Dentadinhas, 
Mordidelas,
Bocadinhas (...)
Clichê de felicidade na intimidade.

Frias, 
Quentes, 
Exalando fragrância.
Vênus a pele, pele a Vênus!

segunda-feira, dezembro 12, 2011

Nebuloso

Nebulosos foram esses dias.
Hoje o céu azul!
O sol brilha mais intenso e trouxe a sua alegria.
Sobem  aos céus pássaros a cantar.
Não devemos afastar do amor quando ele nos encontra.
Enlaçados estão braços, olhos, sorrisos (...)
Me dê um sinal singelo.
Não tenha medo.
Será que suspeita?
Ser dada a você.
Serei fiel a você
Comemorar com as estrelas e com brinde da lua.
Não teremos mais dores.
Seremos somente amantes eternos.
Flores que se abrem
Na  irreal a falta de sentimento.

Bate *

Amacia a carne,
Bate e arremate.
Arremesse-me contra a parede.
Quero gosto.
Sinto a pele!
Sinto o pulsar das artérias
Ela queima, ela arde (...)
Nessa explosão, nesse incêndio de corpos!


sexta-feira, dezembro 09, 2011

Medo meu

Medo ...
Medo de não olhar seus olhos!
Medo de não te observar suas formas.
Observo-te de mansinho.
Contraio os lábios,
A suculência de fantasias
Meu parque de delícias.
Montanha russa das emoção.
Lambuzar-te os dedos desejo!


A morte de minha rosa vermelha

Para refletir: 
Se após um dia de trabalho você chega em casa, 
olha na janela e vê que seu pequeno pote de rosa não 
se encontra mais lá e de repente você olha para baixo e a vê jogadoa ao chão, com suas terra espalhadas, seu pote rachado e suas pétalas dilaceradas...Ah, suas pétalas, não existem mais! Algo que você cuidou com tanta dedicação, carinho e atenção acabar assim! Lastimável.
O que pensar de uma pessoa dessas ? As piores coisas possíveis, visto que foi capaz de fazer isso um frágil roseira e imagina o que faz com seres humanos ? Se é que se pode designar esse ser de pessoa.


Rasgo

Rasgo páginas
Marcadas com lágrimas e sangue.
Entre labaredas queimo o que me queima
Queimo o que doí.


Rasgo páginas
Da vida.
Passagens que a memória pode reescrever.
De tintas coloridas e linhas amor!

Filosofia do Espelho

Certa vez fui indagada sobre, quem sou?
Ficando muda e calada e sem saber o o que dizer.
Logo depois me pus a pensar.
Como posso não saber quem sou eu ?
Então coloquei a me pensar: 


Sim, eu tenho preguiça. Sou bicho preguiça que se espreguiça!
Bagunceira por entre algumas vias organizadas.
Responsável pelo meus ideias.
Piedosa, talvez ? Somente por que faz por merecer.
Confiável de personalidade complexa que percorrer os rios da imaginação .


Generosa em lágrimas de alegria e tristeza.
Tolerante com minha índole e imperfeição sem julgamento 
Adora a tensão por vezes.
A instabilidade do ri e vir.
Originalmente curiosa pelo significado das coisas 


Dada aos mundo das artes, da ciência 
Encanta-lhe a natureza, pura e emblemática!
De forma liberal nem tanto.
Nada de rotina e nem de convencional.
Ser alegre, falante e passional.


Por vezes tímida, quieta e discreta fito os meus olhos e fico aos seus olhos.
Simples solar do como luar.
Pitadas de " Amélia " por soou mulher de verdade!
Então quem sou ?
Eu sou você!
E quem você é  ?



Pouco

Por muito pouco já deixei de gostar
Por muito pouco já abandonei,
Já deixei sentir,
Já deixei de sonhar.
Não consigo desejar.
E por que não deixo de te amar ?

segunda-feira, dezembro 05, 2011

Aperto no coração

Aperto no coração.
Sensação sem que se possa  descrever.
Falta-me algo.
Algo me falta!


Aperto no coração.
Uma língua não falada.
Falta-me a estação.
Estação da essência.


Aperto no coração.
O vazio que aperta n'alma.
Falta do aconchego que ainda não tive.
Falta-me sentir seus aromas, seus sabores, suas noites e dias!

Domingo

Como cerrar meus olhos.
Como não sentir o cheiro.
Como calar a boca.
Não como  conter meus impulsos.
Minha musculatura provém  de seu estado 
Meus nervos estão ligados a seus pensamentos.
Meus órgãos fervendo pelo teus.
A pele querendo tocar a sua pele.

domingo, dezembro 04, 2011

Sinta a  mesma saudade
Chega de amores descartáveis
Blues feito de melancolia
Sons extraído de uma gaita
Acordes desafinados
Vinho aberto sem ser bebido!


Seria

Seria todos os meses do ano.
Seria seus finais de semanas.
Seria a meia-noite a te excitar
Estaria sempre indo em sua direção
Seria um líquido para você me beber
A flor que aguça os sentidos
Seria as estações do ano
Seria a cor de seus olhos, cor da terra, cor do chão.

Teria a irracionalidade animal.
Seria o barulho das ondas do mar
Sorvete como sobremesa
Seriamos o lugar secreto na ilha do prazer
Teríamos o gosto do morango
Seria uma parte do seu corpo.
Estaria sempre na sua mente
Teria sempre o gosto da meus lábios
A face do meu sorriso, face do meu querer

Matéria a aprender,
Matérias a somar,
Soluções dividas
Química calculada
e enlouquecida  dias após dia!

sábado, dezembro 03, 2011

Falência

Sinto frio ...
Sinto dor.
Ele queima,
Arde.


Tudo paralisa,
Não sinto as mãos
Já não vejo mais seu rosto.


Injeção de cianureto
Corroi os órgãos.
Ele falham,
Não se encaixam.


Lentamente um a um vão paralisando.
Até a falência total.
E nesse instante bastaria você amar para fazê-lo funcionar



Enigma

Enigma
Província como raiz.
Desencanto a tristeza!
Paralelismo (...)
Restos imorais
Doce dos doces
Hábitos desformes
Barriga vazia.
Fome voraz


Venero os elementos.
Venero oh, ti natureza!
Morta ou viva.


Da rocha trago a firmeza.
Do mar faço meu temperamento.
A lua como mistério.
O sol me dá calor.
O escuro da noite que encanta.



Ser



Seria todos os meses do ano
Seria seus finais de semanas
Seria a meia-noite para te excitar
Estaria sempre indo em sua direção
Seria um líquido para você me beber
A flor que aguça seus sentidos
Seria as estações da sua vida
Seria a cor de seus olhos, cor da terra, cor do meu chão
ter a irracionalidade animal
Seria o barulho das ondas do mar
Nossa sobremesa seria o sorvete
Seriamos lugar secreto na ilha do prazer
Teríamos o gosto do morango
Seria parte do seu corpo.
Seria a sua boca
Face do meu sorriso, face do meu querer
Matéria que quero aprender e  aprender
Seria capaz de enlouquecer dias após dia!

Certeza

Verdade que corta,
Que destrói
Envenena.


Circula em meu corpo a convicção
Que apodrece minha carne.
Faz parar meus batimentos.


Já não sinto mais o corpo.
Já não não sinto mais calor.
A verdade me quebrou.

A certeza faz doer.
Murchou a rosa que agora só tem espinho!
E uma imensidão de dor.

Posição

Visão embaçada,
Olhos querendo ver.
Mãos e 
Pés amarrados!

Frio na espinha!

Coluna dorsal!
Cada vértebra comprimi os desejos.
Posição desfavorável  cá estou!





sexta-feira, dezembro 02, 2011

Entre

Entre o claro.
Faça-se o  escuro;
Entre o carinho
Desprende-se do ódio;
Entre gotas salgadas enxugo com amor
Entre o límpido, calmo semblante estas;
Entre eu e você,
Entre bocas, lábios ...
Palavras não ditas.
Os ponteiros andam.
O tempo já não é o mesmo.
Entre nós.
Entre eu .
Entre você.  
Somente existe soma.
 Eu mais você!

Pássaro

Pássaros sem asas
Sem ninho
Sem afago
Mergulhado na melancolia.


Pássaro sem vida,
Sem cor,
Sem prazer.
Amargo é o gosto do fel.


Pássaro sem céu
Sem calor
Pássaro sem direção, sem rumo
Sem seu amor.



Entrega

Me encontrava tímido calado.
Fora dos padrões.
Princípios esquecidos,
Esqueci de minha ideologia 
Do ser em  minha essência completa.
Você veio a mim violento ...
De lábios calados!
Me entrego a música de suas curvas!
Entrego meu corpo, meus sentidos (...)
Frio e gelado não me encontro mais.
Sinto o fogo, sinto a precisão de suas palavras.
Sinto o amor !

Florescer

Algo aflora,
Os poros se abrem como rosas
Distingo  seu compasso.
Boa sorte, necessito!
Acorda o adormecido.
Conexão irreal.
Tenho a lua a banhar-me
Vejo o mar em sua plenitude
Jogo intenso feito em silêncio
Não consigo lutar
Está entrando na pele, no corpo ...

Madrugada *


 No silêncio da noite ela desperta o calor!


Desperta a ira.


Ferve os sentimentos.


Entra em ebulição a carne.


As paredes umidecem (...)


Deslizar minhas mãos em seus cabelos agora quero!

Quero -te agora segurar-te pelo avesso, ah como quero!

Adan

A tela esta branco.
Não há pensamentos.
Sem ideias (...)
Sem formas.


Vejo tudo em branco.
Nada ....
O nada permanece em branco.
O vazio se que se afaga na solidão.


Nada de nada!
Nada que viva!
Nada que permaneça!


Nada como vida!
Nada como sonho!
Nada como esperança!


Nada como você em meus dias!

Descoberta

Tenso,
Turbulento,
Eloquente
Louco,
Desfalecido de amor.
Reluzente como diamante!
Carbono que jaz na terra!
Nas profundezas desse oceano vou penetrar.
Mergulhar nesse turbilhão de águas
Enlouquecer as marés de Netuno!
Assim Eros profetizou!
Do amor nascerá amor!

Sonhos

Sonho que se sonha!
Sonho de nuvens de algodão doce!
Sonho que se sonha!


Sonho acordada.
Sonho dormindo!
Sonho que se sonha.


Aroma de jasmim, rosa sândalo!
Sonho, apenas sonho!
Sonho com o rosto!


Sonho no presente!
Sonho que sonho!
Sonho dos meus sonhos diante aos meus meu sonho!



Príncipe Negro

Qual será sua carruagem ?
De que cor serão seus olhos?
Que gosto tem sua boca ?
Qual o cheiro de seus cabelos ?
Onde és sua morada ?
Faça parte de meu sonho.
Quero sonhar acordada.
Encantada quero  ser!
Pelo seu meigo sorriso.
Por ternura exagerada.
Brilho que ofusca os olhos.
Seu canto será meu canto.
Príncipe Negro de humor inconstante.
Penetrante são suas palavras.
Perfume eterno teto de estrelas!


quinta-feira, dezembro 01, 2011

Lágrimas

Libertar  o insaciável.
Pragmático esta o dia!
Cinzas no céu.
Pesado estão coração e pensamentos.


As lágrimas não caem.
O dia vira noite.
E as lágrimas não rolam.
Tudo permanece inalterado.


Nada se mexer,
Nada sai do lugar.
Nada, nada.
E as lagrimas não rolam ....

Igual

Igualdade de sentidos.
Igualdade de preceitos.
Igualdade humana!
Igualdade para o humor
Humor para a igualdade.
Humanidade e responsabilidade.
Igualdade com ternura e coragem.
Igualdade para a Igualdade!

Por trás

Poesia com realismo.
Filosofia em forma de poema.
Sol brilhando cedo que clareia um novo dia.
Um instante, um momento, um desejo (...)


Poesia como arte,
Arte para amar.
A  noite como mistério que segue em seus olhos.
Olhos que espelham o sentimento e carinhos infinitos.

segunda-feira, novembro 28, 2011

Certeza

Com asas negras.
De voo incerto.
Perdida na imensidão de pensamentos.
Penas que caem.


Sobre o campo verdeja o amor.
Sobrevoo e vejo sonhos.
Aterrisso e adormeço 
E acordo com de fronto aos desejos.

domingo, novembro 27, 2011

Morte

Como matar a dor?
Como matar o amor?
Como matar a saudade ?
Como matar vago,
O vazio ?
Como matar a morte de ideais ?
Como matar você ?
Como arrancar você de mim, da minha vida ?
Morte!
Sim. morte para dor.
Morte para a falta de amor.
Morte para saudade.
Morte para o vazio e vago!
Morte para falta de coragem!
Morte para o bom senso!
Para senso em comum!
Morte para morte!

Compreensão

Um dia irá entender,
Irá compreender,
A fonte da energia,
O que faz te compreender
O que faz me perder!
A relevância no espaço,
Persistência de momento.
Certeza de ser e estar.


Encanto e magia que predominam.
Raiz e flores que rodeiam nosso caminho.
:Nas veias encontra-se o fluído da vida!
O sangue que circula e ferver por em sua presença!

segunda-feira, novembro 21, 2011

Licença poética

Licença poética,
Para o difuso,
Parafuso (...)
Poesia pede licença.
Poesia de beijos roubados,
De versos calados.
Licença poética,
Castanha de castanho!
Para sequestro de palavras,
Poesia nas vértebras;
Poesia na cabeça.
Licença poética é
a poesia pedindo licença
Que bate a sua porta.
Abra então a porta!

Profano

Seus olhos não são claros
São escuros como noite.
Dentro deles há mistérios.
Há estrelas que sentilam.
São tão profundos como o oceano.
E me profundar neles desejo!


Olhos!



Eyes!

Eyes that plead,
Eyes that flame,
Eyes that tremble,
Eyes looking,
Eyes that undress,
Eyes that look.
Looks I want!
Looks I crave!
Looks ...
Looks that call!
Eyes that are completed.
Looks that add up!



Olhos que suplicam,
Olhos que flamejam,
Olhos que tremem,
Olhos que olham,
Olhos que despem,
Olhos que olham.
Olhares que quero!
Olhares que almejo!
Olhares ...
Olhares que chamam!
Olhos que se completam.
Olhares que somam! 

Líquido

Entre a espuma,
Entre o turvo,
Entre o claro,
Sobre o líquido que percorre a garganta exclamo!
Doce e amargo a essência de sabor que confunde o instante!

terça-feira, novembro 15, 2011

Seja simples,
Tenha olhos radiantes,
Pesquisaremos nossas alegrias.
Abriremos mão do que não nos agrada.
Multiplicaremos nossos sonhos.
E construiremos nossa vida!

Simples

Banho de lua ...
Dançar com estrelas ...
Para depois adormecer nos braços seus!


Andar com os pés calços
No encalço e na audácia de gestos
Despirmos nossa falta de coragem.


Entrelacemos nossas vida.
Multipliquemos nossos sonhos
Para também dividirmos nossas tristezas.



domingo, novembro 13, 2011

FORMOLidade!

O formol penetra na mucosa.
Os olhos se irritam-se facilmente.
Frágil, tudo causa ardência
Tudo é corrosivo!


O odor já não é mesmo
Sentimento que consome e sacia 
Preenchimento de vazio que vaga na raiva.


Percorre a corrente sanguínea 
Trás o calvário ...
Alívio intacto na sua formosura mortal.
FORMOLidade desigual!


A toxicidade na semi-vida
Absorvida pelo metabolismo que lacrimeja!
O nariz que queima, 
Espasmos ...
Irritação que por fim mata!


Mata essa ingenuidade,
Mata a esperança,
Mata a razão,
Só não amor que por ti sinto!

sábado, novembro 12, 2011

Temperança.

Poeira,
Uma grossa camada ...
Superfície assimétrica
Quanto ao contorno e gosto, não se sabe!
Amadurecido pela acidez.
Amargo foi o tempero.
Sai a poeria
Surge o brilho
Surge o gosto!
O tempero agora depende de você!

Prato *

Ser o prato principal.
Ser a sobremesa,
Ser a bebida,


O ócio criativo,
Amordace a boca.
Arranque suspiros (...)
Não trema.


Deguste ...
Sacie os sentidos...
Quero prato principal.


Veja ...
Sinta ...
Inspire ...
Reflita ...


Pois seu prato principal
Esta a sua frente então devore-o para sempre e lentamente!

terça-feira, novembro 08, 2011

Fuga

Quero fugir...
Fugir desse lugar...
Dessas pessoas...


Fugir de meu espírito ...
Fugir de mim...
Fugir das ideias...


Quero fugir ...
Desse vazio...
Dessa dependência...


Fugir frio ...
Fugir de lembranças...
Fugir desse mundo ...

segunda-feira, novembro 07, 2011

Beco

Beco de ideias,
Beco das lembranças,
Beco sem bebida,
Beco sem beijo.


Desapareço pelo beco.
Peco no compasso de beco.
O beco não eco, não ouve o grito.
O beco permanece mudo.


Beco de palavras
Beco mágico,
Brejo, beco que espreme.


Beco que há saída ...
Beco, beco, beco ...

Incerto

Aproximação por entre janelas abertas.
Esquerda e direita.
Perco a noção dos sentidos.


Não lembro de meus passos.
Não sei como cheguei em frente a essa janela.
O seco agora se torna gelado e áspero.


Tendo a secura nas palavras e nos gestos.
Seja suave, caloroso, te peço atenção!
Deixe a felicidade reinar no reino da incerteza.


Quero a face da doçura constante no caminho.
Caminhar de braços dados.
Voar para um lugar distante onde possamos enfim sermos felizes, eu, você e nosso passado!


Homeopatia

Doses Homeopáticas 
De silêncios
De felicidades
De alegria ...


Doses Homeopáticas ...


Homeopatia de sonhos oxidados
Homeopatia de amores tragados pela dor
Homeopatia de caminhos traçados 


Doses cavalares ....


Sofrimentos
Desconfiança 
Desamor,
Falta de coragem ...


Homeopatia que compartilha de sua simpatia
Quer simplificar a vida
Possui a ingenuidade de criança.


Homeopatia, Homeopatia que se abate n'alma!

Chorando


Dizer que tudo passa ...
As pessoas passam e levam pedaços seus consigo.
Pessoas destroem ...


Chorando pelo morte dos sonhos,
Chorando pelo que não passa.
Chorando pela vida que despreza os simples !


Dizer que tudo passa ...
Ilusão para otimista 
Esperança para quem não deixa ter fé.


Chorando pela incompreensão
Chorando pelo desafeto
Chorando como desabafo!


Dizer que  tudo passa ...
Dor que doí  (....)
Doe para engolir que faz sangrar e chorar.

Roubo

Eu roubaria as estrelas por você.
Roubaria o sol.
Faria o dia  virar noite e a noite dia!
Beijaria por milhares de vezes até você adormecer.


Abasteceria você com amor!
Ignoraria por algumas vezes minhas vontades.
Você atenderia meus desejos.
Entre nós, só haveria nós.


Com os anéis de saturno lhe envolveriam
Pelo calor de suas mãos me tornaria sua.
Até que o pulso não tenha pulso.
Nem água vai apagar a chama que ferver nosso coração.




Momento


Somos feito para amarmos até o último suspiro;
Feito para atender nossas carências.
Feito para desprezarmos nossa falta de consciência.
Consequência ai de vir dentro frágil vidro que se quebra.


Quero momentos,
Quero sua presença,
Quero permanecer na sua vida.


Somos feito como pão e vinho.
Água que mata essa sede.
Sede que cede esta sedenta.
Feito para rolar nas areias no destino e multiplicar a essência!

Céu

Céu com suas nuvens,
Com suas formas,
Seus desenhos  (...)


Sua cor inconfundível.
Sua beleza espetacular  (...)
Simples por encantar!


Ela me aquece,
Me transporta a outro mundo.
Me leva  para as telas de Miró


Meu céu é azul, 
é rosa
e laranja ...


Meu céu é seu céu!


quarta-feira, outubro 19, 2011

Cio

Cio de areia,
Cio das ondas,
Cio das rochas,
Cio em  silêncio (...)
Não recordo o ciclo do cio.
Cio dos ciclos dos olhos,
Cio do vício,
Cio de sua falta de coragem
Cios que navegam em ilusões
Cio de vácuo sem força
Não lembro de cio
Cio de amor
Cio de saudade!

Desejo II


Adormece fragilidade
Adormece anjo
Adormece o dia

Acorda essência


Acorda meu sexo
Acorda o desejo...
Acorda a libido


Adormece o sarcasmo;
Adormece o frio;
Adormece  a ilusão


Acorda a paixão
Acorda o sonho.
Me acorde com seus beijos,
Me acordo sem seus braços.