Tudo fortaleze

Tudo fortaleze
Nascem coisas de onde menos imaginamos.

segunda-feira, agosto 23, 2010

Always

Hoje, recebi um poema !
Ao lê-lo, me defronti contigo.
Com o nosso ser constante de verdades oscilantes !
Gostaria que a minha verdade fosse a sua verdade.


Mas as verdades oscilantes;
As nossas verdades devemos aceitar.
Formas das mais variáveis para não haver mágoa.
Somente o saber para onde foi tudo aquilo;


Saber o porquê de nosso erro.
Aceitemos a verdade!
Você me adora, porém me odeia.
Conflito com qual não quer ter.


Por isso resolveu apagar-me de sua vida,
De sua mente,
De seu ciclo,
D'alma, do virtual
Do etério.


Porém eu não aceito em te apagar.
Apagar páginas são fáceis.
Difícil é conviver com elas.
Eu convivo.


Minha verdade faz parte da sua verdade.
Minha vida fez breve passagem com sua.
Nosso pensamento teve em sintonia e nem todo foi em vão.
Somos espelhos que refletiram nossos corações, pena foi a hora em que tudo se deu. 

terça-feira, agosto 17, 2010

Amor de alma.

Ao te ver entrar pela porta do quarto
Meu coração bate mais forte, 
Acelerado.
Aproximas-te e sinto teu perfume 
Que envolve o ambiente.
Te abraço beijando teus lábios carnudos,
Sabor de mel.
Corro minha língua pelo teu pescoço
Sentido teu gosto.
Minhas mãos descem pelas tuas costas 
Buscando algo
Apalpando tuas nádegas 
Delicadamente.
Sinto sob teu penhoar, que deixas cair suavemente,
O veludo de tua pele.
Mais afoita tua mão busca meu falo,
Acariciando gentilmente.
Minha mão corre pôr entre tuas coxas,
Roliças e firmes.
(...)

Quente e úmida.
Acariciamo-nos,
Com volúpia e amor.
Tomo-te em meus braços,
Forte e trêmulo.
Deitando-te em nosso ninho de amor.
Ponho meu corpo sobre o teu,
(...)

Sinto estremeceres sob meu corpo.
Somos um só ser,

A grita, a enlouquecer, a explodir Amor de alma.

Horizonte

Que lugar.
Minha terra.
Meu banco.
Com terra, água e até fogo.
Seja dia .
Seja noite.
Lá esta toda escuridão na sua luz ao relento.
Um cantinho que tenha a luz do luar..
Pássaros ao cantar no dia.
De longe vejo o horizonte;
Vejo a existência.
Sinto aromas.
Sente-se a brisa, o belo ar ao voar.
O silêncio chega n'alma penetrar.

quarta-feira, agosto 04, 2010

Quintal (...)

Que saudade desse lugar;
Desse cheiro;
Esse asfalto que muito beijei
Que muito ri e chorei.


Meu doce companheiro
Alegrias,tristeza, 
Dor, perca e morte
Contigo compartilhei.


Não importava se tivesse nele sol.
Nublado com chuva
Sua beleza é singular.
Principalmente após a chuva e entre nuvens.


Vendo-o;
Quero pular, chorar, correr, 
Me esbaldar, quero me jogar 
Nessas curvas sinuosas por onde trotei.


Esse é o meu terreno
Meu Quintal eterno 
Que em Minh'alma ficou !


Por que você chora ?


Por quem você chora, coração sofrido?
Por quem a lastima ?
mas por que  tanta  dor?
O que passou...

Caiu no olvido ?
Ninguém se apieda de quem sofre por amor.
Ah! Pobre coração,não chore tanto!
Fique sereno a contemplar à noite calma.
Minh´alma vai afogar-se no seu pranto
Não queira coração matar minh´alma!
De tanto amar, amar sem ser amado.
Vive triste, sozinho, acabrunhado.
Sofrendo agrura desta solidão,
Sê como a pedra. 
Fica-te calado!
Ou chora esse amor descompassado.
Nas profundezas serenas da ilusão.

Cuidado

Tratemos de cuidar a poesia
de nossas artérias,
vísceras, veias
do silêncio das letras
que fazem sombra aos versos
alimentemos os sentimentos
que nutrem
Tratemos já a poesia
Pois,  ela que me conste
ontem, gemia
a indiferença, de alguns

órgãos extirpados.